sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Treino no Slide Board

video

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Vale a Pena Comer Margarina?




Leia o rótulo da margarina que está em sua geladeira. Perceba que está escrito: "ZERO% de GORDURA TRANS" ou "NÃO CONTÉM GORDURA TRANS" em letras garrafais.

EXCELENTE. não é mesmo? Afinal já sabemos que:

  1. A gordura trans eleva o colesterol LDL, diminui o colesterol HDL e aumenta a taxa de triglicerídeos, fatores de risco para doença cardiovascular.
  2. A gordura trans aumenta a produção de mediadores químicos inflamatórios relacionados ao aumento de incidência de muitas doenças crônicas de nosso tempo (doenças auto-imunes, câncer, infertilidade, etc.)
  3. A gordura trans inibe os receptores da insulina nas membranas celulares provocando resistência insulínica, aumentando a incidência de obesidade e diabetes.
Para saber se a gordura é realmente livre de gordura "trans" é só deixá-la fora da geladeira e aguardar ficar líquida!Mas isto não acontece, certo???

Vejam, apareceu outro novo nome na lista de ingredientes: ÓLEO INTERESTERIFICADO. O que é isso?

Gorduras interesterificadas são obtidas a partir de mistura de óleo vegetal totalmente hidrogenado (gorduras trans) e óleos vegetais líquidos. Isto mantêm a margarina ou o seu "creme vegetal" com o mesmo perigo que citei inicialmente!!!

Portanto, saia dessa cilada!!! a dica é: SUBSTITUA SUA MARGARINA POR AZEITE EXTRA-VIRGEM...


Texto: Ana Paula Ferraz
Para maiores informações:
Tel: (31)3075-2980
e-mail: nutriana@uai.com.br


sexta-feira, 29 de junho de 2012

A Origem da Câimbra e como Tratá-la

   
Câimbras podem acontecer quando menos se espera. De repente, a pessoa sente uma dor intensa provocada por contrações involuntárias de um ou mais músculos, repentinas e prolongadas. As contrações usualmente se instalam nos membros inferiores e ocorrem em espasmos, tornando visíveis os músculos e tendões contraídos. Em geral, as câimbras musculares são causadas pela prática de esportes ou por determinadas atividades profissionais. Já as câimbras noturnas na perna, muitas vezes não têm causa aparente, mas sugerem a associação com algumas doenças sistêmicas.
   Entre as causa mais comuns das câimbras, é válido citar:
·         Uso exagerado da musculatura: são as câimbras típicas dos atletas que praticam exercícios que sobrecarregam determinados músculos. No entanto, elas podem ocorrer, também, nas mãos, nos braços e no pescoço como resultado de atividades como escrever, digitar ou trabalhar com ferramentas na mesma posição durante muito tempo.
·           Desidratação: a água facilita as contrações e o relaxamento das fibras musculares e dos tendões. A falta dela deixa-os mais sujeitos aos espasmos.
·         Baixas temperaturas: o frio faz com que a musculatura fique mais tensa e contraída, o que facilita a ocorrência de espasmos das fibras musculares.
·         Má circulação: nos mais velhos, o estreitamento das artérias que irrigam os membros inferiores causados por placas de aterosclerose pode provocar câimbras, quando a musculatura é solicitada com mais intensidade.
·         Compressão de raízes nervosas: artroses e perda de elasticidade dos discos que ficam entre às vértebras da coluna lombar podem comprimir os nervos, que saem para inervar os membros inferiores, e provocar dor. Essa dor fica mais forte à medida que a pessoa anda e pode adquirir as características típicas das câimbras. No entanto, ela melhora quando a coluna fica ligeiramente flexionada para frente, por exemplo, na posição que a pessoa assume ao empurrar o carrinho do supermercado.
·         Carência de sais minerais: falta de potássio, cálcio ou magnésio na dieta alimentar pode estar por trás de quadros câimbras frequentes. Pessoas hipertensas que tomam diuréticos geralmente perdem potássio.
·         Dor de crescimento das crianças: é simplesmente uma câimbra infantil e pode ser causada por falta de magnésio, potássio, excesso de esforço físico ou eletricidade estática que causa o desencadeamento da dor de crescimento.
·         Outras causas potenciais: Diabetes, anemia, insuficiência renal, doenças de tireóide, doenças neurológicas, desequilíbrios hormonais, mulheres grávidas ou problemas vasculares são fatores que favorecem o aparecimento da câimbra. Alguns relatos também indicam que o uso de certos suplementos dietéticos como creatina pode aumentar os riscos de câimbras musculares. Se câimbras aparecerem sem um histórico prévio, consulte um médico para excluir causas mais sérias.

PREVENÇÃO E TRATAMENTO
Na maioria das vezes, os episódios dolorosos são ocasionais, duram menos de um minuto e desaparecem espontaneamente. Analgésicos e anti-inflamatórios não tem utilidade nenhuma em seu tratamento. No entanto, nas crises, algumas medidas simples podem representar a melhor forma de tratamento.
Câimbras não tem cura, mas alguns cuidados simples podem prevenir a repetição das crises:
·         Alongamento e massagem: alongar o músculo em espasmo e massagear a área afetada com movimentos circulares são técnicas fundamentais para promover o relaxamento da musculatura e aliviar a dor. Nesse grupo, recomenda-se um programa de alongamento contínuo. É importante salientar que não vai ser de um dia para o outro que o alongamento trará resultados. É preciso pelo menos algumas semanas com alongamentos diários para o músculo ter mais resistência às contrações involuntárias.
Quando as câimbras se manifestam nas pernas, a pessoa deve ficar em pé e colocar o peso sobre a perna acometida, dobrando o joelho para estirar os músculos da batata da perna. Se não conseguir ficar em pé, deve sentar-se, esticar a perna e puxar os pés para trás com a mão.

·         Boa Hidratação: manter uma boa hidratação ao longo do dia, especialmente antes de praticar exercícios vigorosos e evitar o sedentarismo. Bem hidratados, os músculos se contraem e relaxam com mais facilidade.
O melhor modo de controlar o grau da hidratação do corpo é através da cor da urina. Pessoas desidratadas apresentam urina muito amarelada e normalmente com cheiro forte, enquanto que um corpo hidratado produz urina clara e sem cheiro.

·         Alimentação Balanceada: inclua frutas e verduras na sua dieta habitual. Esses alimentos são ricos em vitaminas, cálcio, magnésio, sais minerais e nutrientes importantes para o funcionamento não só dos músculos, mas de todo o organismo.
Água tônica possui pequenas quantidades de quinina uma substância que também parece prevenir câimbras. Existem relatos de melhoras de câimbras noturnas após alguns dias ingerindo água tônica à noite.
Existem alguns medicamentos, como vitamina E, complexo B, verapamil, cloroquina e gabapentina que podem ajudar em casos específicos, mas que só devem ser tomados após avaliação médica.

·         Aplicação de calor no local: o aumento da temperatura favorece o relaxamento dos músculos.


Fonte: Revista Pilates

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Crioterapia x Termoterapia



   Tanto o calor como o frio podem ser formas efetivas no tratamento de certas condições, como lesões musculoesqueléticas, dor e espasticidade.
   Muitos, embora nem todos, os benefícios clínicos produzidos pelo calor e pelo frio são similares. A seleção, contudo, se baseia em vários fatores que no momento poderão ser empíricos mas que são de importância.
1.    Estágio de inflamação: Geralmente, o frio é preferível durante o estágio agudo de inflamação para aliviar a dor, reduzir o sangramento e possivelmente reduzir o edema. O calor, em contraste, pode exacerbar o processo inflamatório inicial.
2.    Edema: O calor tende a aumentá-lo, especialmente nos estágios iniciais de inflamação e lesão. O frio pode ajudar a limitar o edema.
3.    Extensibilidade do colágeno: É mais afetada de um modo benéfico por um aumento da temperatura; o colágeno se torna mais rígido com o frio.
4.    Dor: Tanto frio quanto calor podem ser usados para aliviar a dor. O efeito do frio pode ser mais prolongado, mas, em certas ocasiões, pode aumentar a dor.
5.    Espasmo: Tanto calor como frio podem diminuir o espasmo muscular associado a lesões musculoesqueléticas e irritação de raiz nervosa.
6.    Contração muscular: O resfriamento moderado para aproximadamente 27°C leva a um aumento na habilidade do músculo de manter uma contração.
7.    Área a ser tratada: Em algumas pessoas, a aplicação do frio nas mãos e pés leva a um desconforto considerável e essa pode ser então uma indicação para o uso do calor.
8.    Preferência do paciente: Algumas pessoas acham o frio intolerável. O uso de calor para aliviar a dor e o espasmo muscular pode ser mais aceitável.


Referência:
Eletroterapia: Prática Baseada em Evidências; Autor: Sheila Kitchen; Editora Manole

quinta-feira, 31 de maio de 2012

O que é Termoterapia?

A termoterapia é a aplicação de calor terapêutico ao corpo e os métodos de aquecimento são classificados como superficiais ou profundos.
Superficial
Profundo
Infavermelho
Ondas Curtas
Compressas quentes úmidas
Ultra-som
Banhos de Parafina

Turbilhão


Os agentes de aquecimento superficial devem ser capazes de aumentar a temperatura da pele dentro de um limite de 40°C a 45°C, para que possam produzir efeitos terapêuticos. Eles limitam-se a profundidades inferiores a 2cm.
Efeitos locais do calor:
·       Vasodilatação;
·       Aumento da permeabilidade capilar;
·       Aumento da drenagem linfática e venosa;
·       Formação de edemas;
·       Remoção dos resíduos metabólicos;
·       Aumento da elasticidade dos ligamentos, cápsulas e músculos;
·       Analgesia e sedação dos nervos;
·       Redução do espasmo muscular;
·       Aumento da velocidade de condução nervosa

Indicações:
·       Quadros inflamatório subagudo e crônico;
·       Redução da dor crônica ou subaguda;
·       Espasmo muscular crônico ou subagudo;
·       Redução da amplitude de movimento;
·       Resolução de hematomas;
·       Redução de contraturas articulares
Contra-indicações:
·       Traumatismos agudos;
·       Circulação insuficiente;
·       Regulação térmica deficiente;
·       Áreas anestésicas;
·       Neoplasias (tecido anormal, como um tumor, que cresce à custa do tecido sadio)


Comparação entre o Tratamento com Frio e com o Calor


Efeito
Frio
Calor
Profundidade de
Penetração
5cm
1-2cm (superficial)
2-5cm (profundos)
Duração dos
Efeitos
Horas
Começa a dissipar-se após remoção do tratamento
Fluxo Sanguíneo
Diminuído (vasoconstrição)
Aumentado (vasodilatação)
Taxa Metabólica Celular
Diminuída
Aumentada
Consumo de Oxigênio
Diminuído
Aumentado
Resíduos Celulares
Diminuídos
Aumentados
Permeabilidade Capilar
Diminuída
Aumentada
Inflamação
Diminuída
Aumentada
Dor
Diminuída
Diminuída
Espasmo Muscular
Diminuído pela redução de sensibilidade dos fusos musculares e redução da dor
Diminuído pela redução da isquemia e da dor
Velocidade de Contração Muscular
Diminuída pela redução da velocidade de condução nervosa
Aumentada

Referência:
Recursos Terapêuticos em Fisioterapia; Autor: Chad Starkey; Editora Manole

quarta-feira, 30 de maio de 2012

O que é Crioterapia?

A crioterapia é a aplicação de modalidades de frio que têm variação de temperatura 0°C a 18,3°C. Durante a crioterapia, o calor é retirado do corpo e absorvido pela modalidade de frio, fazendo com que o corpo responda com uma série de respostas locais e sistêmicas. A magnitude desses efeitos está relacionada com a temperatura da modalidade, a duração do tratamento e a superfície exposta ao tratamento. Para obter os benefícios terapêuticos, a temperatura da pele deve cair para aproximadamente 13,8°C para que ocorra a redução ideal do fluxo sanguíneo local, e para cerca de 14,4°C para que ocorra anlgesia.
Efeitos locais da aplicação do frio:
·       Vasoconstrição;
·       Redução da inflamação;
·       Redução da dor;
·       Redução de espasmos musculares;
  Diminuição da condução nervosa

Indicações:
·       Traumatismos ou inflamações agudas;
·       Dor aguda ou crônica;
·       Queimaduras de primeiro grau, pequenas e superficiais;
·       Edema e dor pós-cirúrgica;
·       Espasmo muscular agudo ou crônico

Contra-indicações:
·       Envolvimento cardíaco ou respiratório;
·       Ferimentos abertos;
·       Insuficiência circulatória;
·       Alergia ao frio;
·       Pele anestesiada;
·       Diabetes avançada.

Fenômeno de Raynaud: reação vascular à aplicação de frio ou estresse, que resulta em uma alteração na coloração da pele das extremidades, que pode ficar branca, vermelha ou azulada. Os dedos dos pés e das mãos são os primeiros a ser afetados.

Referência:
Recursos Terapêuticos em Fisioterapia; autor: Chad Starkey; Editora Manole

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Lesões Relacionadas à Prática dos Diferentes Estilos de Karatê nas Academias de Belo Horizonte

   Karatê é uma palavra japonesa que significa “mãos vazias”. É uma arte marcial que faz uso de todas as partes do corpo para fins de auto-defesa. Essa forma de luta tem origens remotas, pouco conhecidas e foi criada na ilha de Okinawa do arquipélago japonês e sua expansão pelo mundo ocorreu rapidamente a partir do século XX devido a Gichin Funakoshi, que é considerado o fundador do karatê moderno.
   A World Karate Federation (WKF), foi reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) em dezembro de 1998 e sua primeira participação em olimpíadas foi em Sidney, 2000. O esporte é praticado por mais de 50 milhões de pessoas em todos os cinco continentes, sendo que, destes, 1,4milhão o praticam no Brasil.
   Os estilos mais praticados no Brasil são goju ryu, shotokan, shito ryu e wado ryu. O kata ou “forma”, espécie de luta imaginária, é o que define o estilo a ser praticado. A sua execução correta proporcionam, aos alunos, movimentos em diferentes ângulos realizados pelas diferentes articulações do corpo humano.
  O karatê é uma prática através da qual o karateca domina todos os movimentos do corpo. A essência das técnicas é o kime, um ataque explosivo ao alvo usando a técnica apropriada e o máximo de força no menor tempo possível. A fonte de força está nos movimentos do corpo. Especialmente importante é o giro da parte superior do corpo em combinação com a rotação dos quadris. Os treinamentos frequentemente iniciam com aquecimento ou rotina de alongamentos.
   O karatê apresenta suas regras e algumas valem ressaltar como a proibição de técnicas com contato excessivo em função da zona atacada e técnicas com contato à garganta, ataques aos braços, pernas, virilha, articulações ou na face dorsal do pé, ataques à face com técnicas de mão aberta e técnicas de projeção (derrubar) proibidas ou perigosas.
  O Karatê é, frequentemente, citado entre os esportes com maior risco de lesão. Na cidade de Helsinque, Finlândia, houve um estudo no qual este esporte obteve a maior incidência de lesões: 142/1000 praticante, superando nesse quesito esportes como futebol, hóquei no gelo, basquetebol, voleibol e judô.
   O objetivo é descrever a prevalência de lesões decorrentes da prática do karatê, a partir de relatos dos praticantes nas academias de Belo Horizonte, Minas Gerais, filiadas à Federação Mineira de Karatê (FMK). Avaliando-se também, as regiões mais afetadas, os mecanismos de lesão, as reincidências e a procura por tratamento.
   A amostra foi de 48 praticantes, 9 academias registradas na FMK e todos os atletas federados que se encaixaram nos critérios de inclusão (praticante de karatê amador ou profissional há pelo menos 2 anos, não praticando outro esporte concomitantemente; qualquer gênero e ter idade entre 16 e 60 anos.)
   O questionário aplicado é composto de 13 questões, onde:
·         1 a 3 se referem ao histórico de lesões;
·         4 a 13 só serão aplicadas caso a pergunta 1 seja positiva;
·         4 e 5 se referem à localização e ao tipo de lesão sofrida;
·         6 e 7 se referem à recorrência destas lesões;
·         8 se refere aos possíveis tratamentos realizados;
·         9 a 11 se referem aos mecanismos das lesões;
·         12 se refere à gravidade;
·         13 diagnóstico médico das lesões.
   Foram entrevistados 37 atletas (77,1%) so sexo masculino e 11 (22,9%) do sexo feminino. Além disso, do total, 21 atletas (43,8%) eram praticantes do estilo kenyu ryu, 16 atletas (33,3%) praticantes do estilo goju ryu e 11 atletas (23%) praticantes do estilo shotokan.
   Dos 48 atletas, 41 (65,42%) relataram apresentar algum tipo de lesão e 7 (14,58%) relataram nunca ter sofrido alguma lesão decorrente da prática do esporte, apresentando uma média de 2,45 lesões por praticante.
   Dentre os tipos de lesão, o mais frequente foi a fratura, com 27,96%, ocorrendo no momento em que o praticante sofria o impacto, quando defendia, ou no momento em que atacava com um soco ou chute, condizente com a natureza do esporte, que é de contato.
   A segunda forma de lesão foi a lesão muscular/estiramento/distensão/ruptura/cãibra com 17,79% e, dentre essas, a distensão ocorreu em todos os casos relatados. Os atletas alegavam mal-aquecimento, principalmente relacionado ao alongamento, pois chegavam tarde ao treino.
   A região mais afetada foi a região dos pés/dedos dos pés com 19,49%, seguido de punho/mãos/dedos das mãos com (15,25%), sendo os seus mecanismos de lesão, respectivamente, chutando a região do joelho adversário ou o cotovelo, e socando ou defendendo algum golpe com a mão aberta.
   Através do resultado obtido pelo teste, pode-se dizer com 95% de certeza que não existe diferença significativa entre os três estilos com relação à distribuição e tipo de lesões em praticantes de karatê do município de Belo Horizonte.

Se desejarem o estudo na íntegra com outros resultados e análises entrem em contato.
Autores: Raphael Ávila Alves
              Leandro Barreto dos Santos

domingo, 4 de março de 2012

Pilates e a sua Empresa

                                                                                          Fonte: Internet

   A vida de um profissional moderno tem se resumido a horas trabalhando sentado diante  de um  computador. Comprovado através de pesquisas realizadas em diversos tipos de ambientes de trabalho, as pessoas que tem este tipo de profissão são caracterizadas pelo sedentarismo, causador de inúmeras doenças como diabetes, obesidade, ansiedade, aumento do colesterol e, até mesmo, a perda da auto-estima.

   Cientes disso, as empresas estão investindo cada vez mais em proporcionar uma melhoria na qualidade de vida de seus funcionários e, por isso, trazem para o local de trabalho pequenas sessões de atividades físicas "anti-stress".

  O Pilates solo tem sido utilizado como forma de aumentar a produtividade no trabalho - e consequentemente o lucro da empresa. Através da contratação de instrutores de Pilates para ministrar aulas semanais, os gestores tem avaliado muitos dos benefícios que são proporcionados pelo método Pilates, destacando-se:


  • Diminuição da incidência de doenças;
  • Diminuição dos custos com assistência médica;
  • Diminuição do índice de acidentes de trabalho e falta;
  • Evita lesões por esforços repetitivos;
  • Aumento da concentração, resistência física e da produtividade dos funcionários;
  • Diminuição dos níveis de stress.
   Esta pequena pausa na rotina da empresa permite  que os funcionários  reflitam melhor sobre suas ações e tomem decisões mais acertadas, pois, além de tudo, a empresa mostra-se preocupada com seu bem-estar e sua saúde. Eles se sentem mais motivados e contentes após as sessões de Pilates.


Garantir o bem-estar do funcionário é garantir o retorno na produtividade da empresa!


Fonte: revista Pilates

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Recomendações para o Exercício na Gravidez e no Pós-Parto

   O período da gravidez é um momento único na vida da mulher. Uma nova vida está sendo formada. E não há nada melhor que poder passar esse período de forma saudável cuidando de uma nova vida e cuidando de si mesma. Há vários benefícios para a mamãe que cuida de seu corpo na gestação mas não só visando esse momento e sim o período pós parto. Então, gostaria de citar algumas recomendações para o exercício nessa fase e no pós-parto para as mulheres que não apresentam fatores de risco adicionais de problema materno ou perinatal adverso:


  1. Sempre, antes de começar um programa de exercícios, é muito importante consultar o seu médico.
  2. Durante a gravidez, as mulheres podem continuar a se exercitar e obter benefícios à saúde, mesmo com rotinas de exercício leve e moderado. 
  3. As mulheres devem evitar o exercício na posição supina (barriga pra cima) após o terceiro trimestre. Tal posição está associada a uma diminuição de débito cardíaco na maioria das mulheres grávidas.
  4. As mulheres devem ter consciência da diminuição do oxigênio disponível para o exercício aeróbico durante a gravidez. Elas devem ser estimuladas a modificar a intensidade do exercício de acordo com os sintomas maternos. As mulheres grávidas devem interromper o exercício quando se sentirem fatigadas e não devem se exercitar até a exaustão.
  5. Qualquer tipo de exercício que envolva a possibilidade de um traumatismo abdominal, mesmo mínimo, deve ser evitado.
  6. É necessário o cuidado particular em garantir uma dieta adequada.
  7. As mulheres grávidas que se exercitam no primeiro trimestre devem aumentar a dissipação de calor, garantindo uma hidratação adequada, vestindo roupas adequadas e praticando os exercícios num ambiente ideal.
  8. Muitas das alterações fisiológicas e morfológicas (alteração na anatomia do ser vivo) da gravidez persistem por quatro a seis semanas após o parto. Por isso, a rotina de exercício pré-gravidez deve ser retomada gradualmente baseando-se na capacidade física da mulher.
Tenha uma gravidez saudável, cuide de sua saúde!


Bibliografia:
- American College of Obstetricians and Gynecologists: Recommendation for Exercise in Pregnancy and Postpartum. Technical Bulletin No. 189. Washington DC, ACOG, 1994